anotações para uma curta memória de longa duração


Como a vida não é só feita de tulipas…
12/04/2011, 13:15
Filed under: Delft way of life

…existe o outro lado de morar aqui. É tudo muito bonitinho, muito fofinho, cuti-cuti, mas hoje é o meu 5º dia e foi meio cocô. Confira no replay:

Eu tinha um horário marcado na prefeitura pra fazer meu registro aqui. Meu horário era às 10:15. Como eu ainda não tenho uma bicicleta, pessoas me recomendaram emprestar uma do lab para ir até a prefeitura. O que de modo algum fazia sentido, pois eu teria que andar até o lab (20 min), pegar a bicicleta (pela primeira vez em quase 20 anos) e sair andando para um lugar que eu nunca fui. Óbvio que a probabilidade de sucesso dessa idéia era zero. Então achei melhor recorrer ao famoso BUSÃO. É, aqui também tem.

Conferi o itinerário do busão no site do busão e ó, que coincidência, ele pararia na esquina da minha casa e me levaria até a estação de trem do centro em 10 minutos; eu só precisaria andar mais uns 5 ou 10 minutos até a prefeitura. Perfeito né. U-hu, vamos de busão então.

Acordei cedo e pensei: nossa, eu passei calor andando na rua todos os dias e tive que carregar uma jaqueta enorme na mão. Vou ser malandra e sair sem jaqueta hoje!

Vestindo só uma blusa de manga comprida e um moletom, rumei ao ponto de ônibus, já passando frio, porque justamente HOJE o sol sumiu e a temperatura diminuiu. Ok, já ia entrar no ônibus mesmo né, vamos aqui parar de reclamar porque tem muita gente no mundo passando mais frio que eu. Eu cheguei no ponto uns 5 ou 10 minutos antes do horário marcado do busão. E o busão, que horas apareceu?

Nenhuma.

Por sorte havia uma outra menina esperando o mesmo ônibus, e por sorte essa menina tinha um iphone, e por sorte ela resolveu conferir o horário do ônibus e viu que iria ter uma demonstração (não me pergunte…) e o ônibus NÃO IA VIR. Pelo amor de Deus, menina, não me fala uma coisa dessa. Mancada chegar atrasada pro REGISTRO na prefeitura né.

Daí deu a louca na menina e ela saiu andando rápido (eles andam muito rápido aqui, nunca consigo acompanhar, é irritante) em direção à outra estação de trem que fica “perto” de casa. Minhas pernas nem respondiam mais de tanto frio e eu praticamente correndo atrás da menina. Enfim, chegamos na estação, ela me ajudou a comprar o ticket, peguei o trem e parei NO PRÓXIMO PONTO, que era a estação do centro, onde o ônibus iria parar.

No fim cheguei na prefeitura com 5 minutos de antecedência e deu tudo certo. Voltei a pé pro lab (mais frio) mas deu pra fazer umas fotos do centro da cidade, de uma parte que eu ainda não conhecia.

Oude Delft. Sintam a igreja estilo Torre de Pisa no fundo. É a igreja antiga (tem uma outra “nova” também).

 

O que é esse cachorro? Mistura de poodle com galgo?!

 

Ezelsveldlaan. Aham.

 



Olá Holanda!
10/04/2011, 18:31
Filed under: Delft way of life

Cheguei. Fiquei sem escrever de propósito até chegar aqui, porque se eu fosse contar tudo que aconteceu antes de eu vir, seria uma lamentação só. Fiquei muito irritada, estressada, nervosa, correndo atrás de papéis – aliás, a única coisa que eu fiz desde o começo do ano. Então não tinha nada muito empolgante pra contar, e preferi não ficar me lamentando aqui.

Muito obrigada a todos que participaram das despedidas, vou sentir falta de todos vocês!

Bom, pra quem não sabe (duvido muito), vou ficar um ano numa cidade chamada Delft, como parte do meu doutorado. Não vou ter aulas, só vou desenvolver a parte experimental da minha pesquisa.

Tá??? Sem aulas. ZERO aulas. É que sempre tem alguém que pergunta “e aí Bianca, como vão as aulas?” e as minhas explicações de como eu estou estudando mas não tenho mais aulas já se esgotaram… Então agora não explico mais. Simplesmente aceitem o fato de que eu não tenho aulas, só pesquiso sobre um assunto e depois vou escrever uma tese a respeito disso. Ok? Sem aulas para a minha pessoa!

Cheguei aqui em Delft na quinta, depois de voar São Paulo-Amsterdam e pegar um trem. Em 15 minutos dentro do trem eu já tinha visto:

– Um moinho

– Vacas holandesas brancas e pretas

– Os canais e seus barquinhos

– Tulipas

De maneira que eu já quis voltar para o Brasil.

Mas por um momento lembrei que sou brasileira e consequentemente não poderia desistir, então cá estou eu.

No primeiro dia peguei as chaves da minha kitinete alugada, passei rapidamente no lab e no mercado e vim pra casa. Não dormi absolutamente NADA no avião, então de quinta pra sexta dormi umas 14 horas seguidas. Muito bom! Só acordei porque precisava ir no mercado de novo. Aproveitei e já fui na farmácia, comprei umas coisas pra casa (viver 1 ano com um garfo, uma faca, uma colher não iria dar certo), comprei um celular e almocei no McDonaldo, pra garantir né. McDonaldo sempre salvando as pessoas! Falando em celular, são 5 horas de diferença pro Brasil (estamos em horário de verão por aqui).

Aí vão algumas fotos… Se clicar em cima fica gigante, tá?

Vista da Sint Sebastiaansbrug

Vista da minha janela. (o horário da foto está certo, eram 20:37 mesmo)

Tulipas! Marijke me deu no dia que eu cheguei.



Ainda não…
25/03/2011, 10:31
Filed under: Pré-viagens

… tenho novidades, mas se eu contar quantos documentos já passaram/vão passar pela minha mão nessa ORGIA BUROCRÁTICA toda… Dá até um desânimo.



Depois de um longo e tenebroso verão…
24/03/2011, 10:07
Filed under: Pré-viagens

… aguardem novidades. Em breve, muito em breve.



Epifania?
01/03/2011, 22:42
Filed under: A idade vai chegando quando..., Inutilidades

Olha, se a minha missão nessa vida não for aprender a ser paciente, eu não faço idéia do que possa ser…



Sessão de desencapetamento necessária
10/02/2011, 13:54
Filed under: Inutilidades, Pré-viagens

Sabe o Exu Tranca Tudo? Então, tipo assim.



Mais anedotas sobre a prestação de serviços…
07/02/2011, 17:46
Filed under: Pequenos relatos

CENA 1. Posto de gasolina.

Eu, pausadamente: Completa com gasolina comum pra mim, por favor?
Moço: Gasolina comum?
Eu: ?!?! Sim.
Moço: É pra completar?
Eu, pensando: ???????? Não, é pra você sumir da minha frente!!!
Eu: ??????? Sim…

CENA 2. Livraria.

Queria ver se em uma super MEGA livraria existia um box com a coleção do Guia do Mochileiro das Galáxias. Como sabia o nome do autor, fui direto na estante de literatura estrangeira. Mas não achei, visto que nessa MEGA SUPER LIVRARIA não se organizam mais os livros pelo sobrenome do autor, mas sim por gênero. Como não sabia o gênero, fiquei perdida, e não havia nenhum atendente perto. Resolvi perambular e acabei parando na seção infanto-juvenil e achei uma atendente.

Eu: Moça, vocês tem o Guia do Mochileiro das Galáxias?
Moça: Só um minuto.

Moça começa a procurar no banco de dados e vai digitando: Giua, gi, guia do MUCHILEIRO

Pára tudo Brasil. Até fui olhar pra outra estante, crente que ela ia me dizer que não existia esse livro. Respirei fundo e resolvi olhar no computador de novo… O Google contou pra moça que MOchileiro é com O, daí ela deu um maroto Ctrl+C Ctrl+V no nome do livro e achou.

Moça: Tem sim, está lá na seção de literatura estrangeira. Você pode perguntar pra alguém por lá.
Eu, pensando: Ai car%&*#, É MÊMO?! CÊ JURA?!
Eu: Ok, obrigada.

CENA 3. Loja de roupas.

Eu: Moça, só tem dessa cor?
Moça: Tem listrado verde com azul e vermelho com azul também.
Eu: Posso ver a vermelha e azul?
Moça: Claro.

Moça me mostra a blusa verde com azul.

Eu, pensando: Puta merda, tudo bem ser daltônica, mas então peça pro outro moço me mostrar a porra da camisa.
Eu: Hum, não gostei da verde, posso ver a vermelha agora?!?!?